segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada



As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada 
"um ótimo filme para um cristão assistir"

Raramente vemos em cartaz nos cinemas algum filme que não seja espírita, nem com vampiros, bruxos e coisas do gênero. Dentre eles se destacam a série da Disney "As Crônicas de Nárnia", escrito pelo saudoso C. S. Lewis, um escritor Irlandês que se destacou nas áreas de apologética cristã. Sim! Ele era cristão. E as suas obras contém mensagens "subliminares" cristãs! 

É o que se pode observar nos três filmes produzidos pela Disney, onde no primeiro filme (cartaz acima), podemos ver o sacrifício do Leão "Aslan" simbolizando Jesus Cristo, e sua ressurreição. O filme está cheio de idéias, valores e mensagens cristãs.

Algumas frases interessantes do 3º filme, em cartaz no cinema:

"Para vencer as trevas exteriores é necessário vencer as trevas dentro de você"

"Meu país foi feito para corações nobres...mesmo os mais pequenos"

"eu tenho outro nome no seu mundo, sempre estarei observando vocês, me procurem e me reconheçam nele." (Aslan)

15 comentários:

Anônimo disse...

A Disney apoiando e divulgando mensagens cristãs? Não tem algo de errado nisso?

Flávio Alves disse...

Caro anônimo,

Alguns chegam a dizer que é a forma como a Disney encontrou de se perdoar ante o público evangélico dos EUA depois dos muitos filmes satânicos, e com mensagens subliminares que ela lançou.

A verdade é que devemos sempre desconfiar, mas no caso de Nárnia, fico com as palavras de Paulo: "Examinai tudo, retende o bem"

Abraços!

Anônimo disse...

Prezado Flávio Alves,
É muito intrigante e mim recuso a acreditar que "as trevas" estão promovendo e divulgando mensagens cristãs, ainda mais quando utilizam feitiços, magias e bruxarias...
Mensagens cristãs mostradas através de personagens como um "dragão"? Que mostra um garoto ensinando às crianças que ser dragão não é tão ruim assim? Que um dragão pode ajudar e até salvar as pessoas?
Realmente, nós adultos podemos até com muita dificuldade extrair algumas mensagens desse filme, mas ele não é dirigido para nós, e sim às crianças, que verdadeiramente entendem as mensagens subliminares. Digo-lhe que já vi uma criança chorar numa cena de Narnia aparentemente comum e sem emoção alguma para um adulto. E chorava na mesma cena sempre que assistia o filme, e nunca soube explicar o porquê.
Se a Disney lançou e lança filmes satânicos é por algum motivo muito além de simples lucros. É necessário tamanha ingenuidade para acreditar que tal empresa em algum momento visa se desculpar do público evangélico.
Eu respeito as mais diversas opiniões, e raramente comento em blog, na verdade quase nunca, mas fiquei assustado pela recomendação de tal filme, devido vossa posição de líder.
Descobri vosso blog ao pesquisar na net se havia algum comentário sobre as mensagens transmitidas pelo filme.
Encontrei um outro site e recomendo apesar de não concordar com algumas coisas, mas tem informações que eu desconhecia.
http://midiailluminati.blogspot.com/2010/12/o-simbolismo-oculto-em-as-cronicas-de.html
Abraços,
SSA/BA

Anônimo disse...

Encontrei o artigo abaixo no site: www.jehozadakpereira.com
-------------
As Crônicas de Narnia
Postado por strong_wind às 09:31

O que acharam sobre o filme as Crônicas de Narnia?Um filme lindo, sobre nosso Salvador, ou um engano em que muitos irmãos acreditam? Pra ser sincero, não assisti o filme, mas recebi o artigo por e-mail, li e gostei muito. Leiam, meditem, e tirem suas conclusões.



Autor: Jehozadak Pereira

Como preâmbulo deste artigo que escrevi tempos atrás,

acrescento algumas considerações.

1. Ao filmar as Crônicas de Nárnia, a Disney quis agradar

aos evangélicos?

Não, a Disney não quer agradar nenhum segmento religioso

filmando As Crônicas de Nárnia.

2. As Crônicas de Nárnia é uma história

cristã?

Não. Não é. Compare a trama com a Bíblia e

jamais vai se encontrar por menor que seja qualquer coisa que se

pareça com o cristianismo. Compare a trama com qualquer

dicionário ou enciclopédia esotérica ou mística

e vai ser possível encontrar muitas e muitas coisas relacionadas com

o esoterismo, o misticismo, feitiçaria e bruxaria.

3. C. S. Lewis não foi um escritor cristão?

Sim, após a sua conversão ele escreveu muita coisa boa, mas

nunca renegou esta história esotérica, por mais que o defendam

os seus devotos.

O irlandês Clive Staples Lewis, escreveu mais de 40 livros, e

estima-se que da sua obra foram vendidos mais de 200 milhões de

cópias, traduzidos em mais de 30 línguas. Entre as suas obras

estão: “Regresso do Peregrino”, “O Problema do

Sofrimento”, “Milagres”, “Cartas do Inferno”,

uma trilogia de ficção científico-religiosa

“Longe do Planeta Silencioso”, “Perelandra”,

“That Hideous Strength”. Para crianças escreveu a

série de fábulas “Crônicas de Nárnia”

e nelas “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa”.

Considerado conto-de-fada cristão.

E é exatamente deste livro que quero tratar neste artigo. C. S.

Lewis é considerado por muitos como o maior escritor cristão

que o mundo já teve. Lewis é citado por pregadores,

recomendado por homens influentes, estudado nas faculdades, nos

seminários e nos institutos bíblicos. É comum ouvir em

certos púlpitos mensagens onde Lewis é mais citado do que

Jesus Cristo, e seus livros de referencial em lugar da Bíblia.

Há uma verdadeira febre e devoção a Lewis, muitos o

incensam como o modelo ideal de escritor. Ateu desde a sua infância

converteu-se ao cristianismo em 1929, na Igreja Anglicana, e é tido

como o porta-voz não oficial do cristianismo, como se o cristianismo

precisasse de um porta-voz, oficioso ou oficial a despeito de que o nominado

seja C. S. Lewis.

Talvez Lewis tenha sido levado a este panteão por seus

fiéis seguidores, que ignoram tantos outros nomes de relevância

na pregação e divulgação do Evangelho ao longo

dos séculos.

Será que podemos considerar este “laurel” como uma

prova de fanatismo, semelhante aos seguidores e admiradores de Freud e Jung?

Lembro aos meus leitores de que os seguidores de Jung o têm como um

deus, e o consideram como o profeta escolhido dos deuses para dar-lhes o

caminho da redenção. Que estes últimos tenham suas

preferências vá lá, mas crentes o fazendo é no

mínimo muito estranho.

Tempos atrás eu conversava com um amigo a respeito de Lewis e

Tolkien, e ele me disse uma coisa que me fez pensar bastante. Desde quando o

mundo secular elogia e respeita o que é nosso - ou melhor, o que se

diz cristão, especialmente na área da literatura? Não

é estranho que o mundo elogie um dos “nossos”?

Não estou discutindo a fé de Lewis, e nem as outras obras

dele, estou expondo os problemas que existem em O Leão, A Feiticeira

e o Guarda-Roupa.

Anônimo disse...

[continuação]
A trama é repleta de simbolismos, e ouso dizer que é uma história com fundo esotérico. Certamente esta afirmação vai provocar o espanto de muitos. Mas o que você diria duma história onde há faunos, um guarda-roupa que é um portal, ninfas, anões, dríades, Lilith – a tradição cabalística diz que Lilith, seria o nome da primeira mulher criada antes de Eva, não da sua costela, mas diretamente da terra, tal como Adão. - Somos todos os dois iguais, teria dito Adão; e após uma discussão, Lilith encolerizada, pronunciou o nome de Deus, e fugiu para iniciar a sua carreira demoníaca, ou que ainda Caim e Abel brigaram por causa de Lilith.
Alimento enfeitiçado, sátiros, centauro, minotauro, cavalo alado, náiades, unicórnio, um leão que morre e ressuscita, ogres, duendes, vampiros, espíritos que moram nas árvores, fantasmas, lobisomens, íncubo – demônio masculino que, segundo velha crença popular, vem pela noite copular com uma mulher, perturbando-lhe o sono e causando-lhe pesadelos - mortos que ressurgem para a vida, e finalmente uma feiticeira.
Mas não uma feiticeira qualquer. É uma feiticeira branca. Não se trata de ver o mal. A perversidade das trevas no escrito de Lewis, somente porque há a feiticeira, seja ela de qual cor for. O comprometimento é muito maior do que se pensa, além do que a Bíblia nos diz o que acontecerá com os feiticeiros, repito - seja lá de qual cor forem.
A feiticeira é o menor dos problemas...
Ao que parece, aqui quer se “santificar” a feiticeira branca,somente porque foi Lewis quem a colocou na história, e para muitos isto basta, afinal foi um homem “santo” quem o disse. Mas voltando aos comprometimentos do livro, este exército de demônios luta ao lado do bem - de Aslam, o leão que é morto e ressuscitado, contra o mal - a feiticeira. A trama toda começa quando Lúcia entra no guarda-roupa mágico e quando se dá conta que está num país, onde é inverno o tempo todo. Dentro deste país - Nárnia, Lúcia conhece o Sr. Tumnus - um fauno – divindade campestre caprípede, cornuda e cabeluda - conforme a descrição do livro da cintura para cima parecia um homem, com pernas de bode, com pêlos pretos e acetinados, com cascos de bode no lugar dos pés e uma cauda.
Mas eu quero deter-me nas palavras da Professora Gabriele Greggersen que dizem literalmente o seguinte no seu artigo Um encontro e tanto, extraído do endereço clique aqui - : “Como autora de uma dissertação a respeito de O Leão, a feiticeira e o guarda-roupa, a primeira obra escrita da famosa série de contos-de-fada com fundo cristão - as Crônicas de Nárnia...”. Como pode ser cristão, um texto repleto de seres fantásticos? De seres advindos das trevas que lutam ao lado do “bem”?
Vejamos o que são os tais contos-de-fada na definição de quem entende e sabe o que significa.
Nise da Silveira no seu livro Jung Vida e Obra escreveu o seguinte:
“Jung diz que os contos de fadas têm as suas origens nas camadas mais profundas do subconsciente, comuns à psique de todos os seres humanos. Os homens sempre gostaram de histórias maravilhosas. Assim como as crianças. Afirma ainda que é salutar para os homens ouvirem a narração dos contos de fadas, e a narração de velhos mitos.
Jung prossegue dizendo que tanto os mitos quantos os contos de fadas são a mais perfeita expressão dos processos subconscientes. O homem pressentirá obscuramente que ali se espelham acontecimentos em desdobramento no seu próprio e mais profundo íntimo. Afirma que não se trata de acreditar nos feitos heróicos e nos encantamentos que as histórias descrevem, e que as verdades não são objetivas e sim verdades subjetivas, que são narradas na linguagem dos símbolos. Jung, porém tem consciência e admite que tanto as histórias quanto os mitos não passarão pelo crivo das exigências racionais. Finaliza afirmando que são essas ressonâncias que fazem no conceito dele o eterno fascínio dos contos de fadas”.

Anônimo disse...

[continuação]
O professor e escritor Bruno Bettelheim define assim os contos-de-fada. “Os contos de fada, considerados por pais e educadores até pouco tempo como ‘irreais, falsos’ e cheios de crueldade, são para as crianças, o que há de mais real, algo que lhes fala, em linguagem acessível, do que é real dentro delas.Os pais temem que os contos de fadas afastem as crianças da realidade, através de mágicas e fantasias. Porém, o real, a quem os adultos comumente se referem, é o externo, é o mundo circundante, enquanto que o conto de fadas fala de um mundo bem mais real para as crianças. Durante muito tempo, os contos de fadas jazeram esquecidos, desprezados e banidos sob alegação de irreais e selvagens, em vista de suas tramas sempre altamente dramáticas. Depois que a psicologia desmistificou a inocência e a simplicidade do mundo das crianças, os contos de fadas voltaram a ser lidos e discutidos, justamente por descreverem um mundo pleno de experiências, de amor, mas também de destruição, de selvageria e de ambivalências. A psicanálise provou que os pais temem que seus filhos os identifiquem com bruxas e monstros, ogres e madrastas e com conseqüência os deixe de amar. Porém ao contrário, podendo vivenciar tudo, identificando-se e os pais com os personagens dos contos, os filhos têm sua agressividade diminuída, podendo amar os pais de maneira mais sadia. O conto assim contribui para um melhor relacionamento familiar. Entretanto, a maior contribuição dos contos de fadas é em termos emocionais, propondo-se e realizando concretamente quatro tarefas: fantasia, escape, recuperação e consolo. Desenvolvem a capacidade de fantasia infantil: fornecem escapes necessários falando aos medos internos da criança, às suas ansiedades e ódios, seja como vencer a rejeição (como em João e Maria) ou os conflito edípicos com a mãe (como em Branca de Neve) ou a rivalidade com os irmãos (como em Cinderela) ou sentimento de inferioridade (como em As Três Plumas). Os contos aliviam as pressões exercidas por esses problemas; favorecem a recuperação, incutindo coragem na criança, mostrando-lhe que sempre é possível encontrar saídas. Finalmente os contos consolam e muito: o final feliz, que tanto adultos consideram irreal e falso é a grande contribuição que os contos favorecem as crianças, encorajando-as à luta por valores amadurecidos e a uma crença positiva da vida”. A mim me parece deslealdade, afirmar que o fabulário mundial está repleto de seres e entidades demoníacos, e ao mesmo tempo dizer que não há problemas em se aceitar isto como regra de fé e prática, pois afinal tudo é “fantasia”. Mas quem precisa de fantasia?Já ouvi algumas vezes, que Aslam, é o protótipo de Jesus Cristo, pois ele morre e ressuscita, para resgatar a vida de muitos. Ouvi inclusive relatos emocionados acerca disto. Outro fato que emociona a muitos é quando Aslam convoca a todos para derrotar o mal - ou a feiticeira. E desde quando o bem personificado em Jesus Crist precisa da companhia de ratos e um leão fedorento para vencer o mal. Mas como o mal pode vencer o mal? Centauros, unicórnios, cavalos, gigantes, anões, bichos menores, faunos, leões, cães, compunham o exército de Aslam, na sua luta contra o mal. Não preciso dizer que muitos destes são demônios literais. E vejam que não sou eu quem o digo. E muito menos fui eu quem os colocou ao lado de Aslam. Qualquer dicionário de esoterismo pode dizer o que é um centauro ou mesmo um unicórnio, ou esclarecer ainda o que é um fauno ou um sátiro.

Anônimo disse...

[continuação]
O professor e escritor Bruno Outro dia recebi um e-mail falando que a Bíblia cita em Isaías 34.14, a palavra sátiro. Queriam me mostrar e convencer de que o simples fato de a Bíblia citar é o suficiente para corroborar e confirmar o uso do termo por Lewis.Que queiram acreditar e mais ainda, crer que o livro O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, é um “poderoso” instrumento de evangelização e uma “alegoria” do Evangelho, que creiam, mas desde quando o Evangelho precisa de “alegoria”? Desde quando um livro repleto de citações de demônios pode ser uma “alegoria” do Evangelho? Se isto - demônios for “um poderoso” aliado do Evangelho o que vamos fazer com Hebreus 4:12? Que Palavra VIVA é esta que precisa do suporte de demônios para ser pregada? Que Palavra EFICAZ é esta que precisa de “alegoria” para ser aceita? Que Palavra CORTANTE é esta que necessita de apoio na mitologia e no misticismo? As semelhanças de Aslam com Jesus Cristo são muitas. Uma delas é chocante. Quando Aslam morre a Mesa de Pedra se rompe e parte em dois pedaços; “Mas, se fosse um pouco mais longe, de penetrar na escuridão e no silêncio que reinam antes da aurora do tempo, teria aprendido outro sortilégio. Saberia que, se uma vitima voluntária, inocente de traição, fosse executada no lugar de um traidor, a mesa estalaria e a própria morte começaria a andar para trás... E agora...” Qual foi o inocente que fez romper o véu? Que traído e inocente foi sacrificado para vencer o mal? Certamente muitos me contestarão, mas com certeza não responderão ou não terão argumentos para dizer que em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, não há misticismo e criaturas fantásticas. Certa vez eu escrevi um artigo repercutindo uma matéria publicada na Revista Veja, que citava Lewis e Tolkien, como autores de literatura semelhante à de J. K. Rowling, a nefanda autora de Harry Potter. Foi o suficiente para que recebesse uma enxurrada de e-mails desaforados defendendo Lewis.Com certeza desta vez emitirão uma fatwa contra mim. Mas não me importo. O que me importa é a verdade é dizer em alto e bom som que em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, há contaminação espiritual, a começar do guarda-roupa que é um portal esotérico e a findar em Aslam, em nome de quem se deseja que as aventuras continuem.Perigosas aventuras... Fonte: www.jehozadakpereira.com

Flávio Alves disse...

Prezado anônimo,

lamento pelo fato do irmão não querer apresentar-se, mesmo sendo tão ávido nas declarações que postou.

Agradeço o fato de que o amado se preocupa tanto pela saúde espiritual de todos os leitores do nosso blog.

Antes de tudo, quero ser sincero em dizer-lhe que é interessante como as pessoas respondem e gostam de assuntos sobre "ocultismo, mensagens subliminares...", nunca tinha recebido tantos comentários em nenhuma das postagens com mensagens bíblicas que coloquei. Não sei se é impressão minha, mas os evangélicos "adoram" esse tipo de assunto, não sei se é por que gostam de desmascarar o mal ou se é pela oportunidade de criticar ou atacar alguém. Mas, a verdade é que esse tipo de assunto dá audiência! E como dá.

Não enveredei mais pelo assunto, por além do risco de criar "chifres em cabeça de cavalo", é entediante.

Estou até para deixar de usar cabos USB por causa do tridente que tem; estou até pensando em deixar de comprar produtos com códigos de barra por que tem no começo, meio e fim o número da besta.

Em primeiro lugar, gostaria de informá-lo que minha "ingenuidade", sugerida por você, é tamanha que me custa acreditar que TUDO o que vejo tem um "chifre" e um "tridente" por trás.

Entretanto, não sejamos tolos: Muita coisa do que vemos tem a influência do "coisa ruim".

Mas, em algumas coisas que seus comentários contêm(não li tudo), devo concordar, pois desconfio da Disney e de tudo o que ela produz. Desconfio até dos que dizem ser "pastores".

O fato em que todos nós concordamos é que a única fonte INFALÍVEL de regra, conduta e fé é a Palavra de Deus(Até existem os que contestem isso também). E, somente este livro aceito TOTALMENTE como VERDADE ABSOLUTA. O resto é tão falho quanto os que o fizeram.

Continuemos assim:
1 Tessalonicenses 5:21 julgai todas as coisas, retende o que é bom;

Em Cristo,
Pr. Flávio Alves

Fillip Andrew disse...

Quando surgisse tempo, iria responder o comentário do anônimo...
Mas a resposta está excelente.

Acho que vou deixar de usar a internet, porque dizem que o WWW (World Wide Web) é 666 símbolo da besta.

Se esse irmão usa o Windows como Sistema operacional deve ter cuidado! Ôô

José María Souza Costa disse...

Passei aqui lendo. Vim lhe desejar um Natal agradável, harmonioso e com sabedoria. Nenhuma pessoa indicou-me ou chamou-me aqui. Gostei do que vi e li. Por isso, estou lhe convidando a visitar o meu blog. Muito simplório por sinal. Mas, dinâmico e autêntico. E se possivel, seguirmos juntos por eles. Estarei lá, muito grato esperando por você. Um abraço e fique com DEUS.

http://josemariacostaescreveu.blogspot.com

Flávio Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Flávio Alves disse...

Prezado José Maria,

Gostei do seu blog. E agradeçemos sua visita.

Que Deus em Cristo possa abençoa-lo!

Cordialmente,

Pr. Flávio Alves

Regiane C disse...

Bom dia, Pastor

Acompanhei por alto os debates, sinceramente não tenho tempo para isso.

Vim parar aqui buscando uma das frases do filme que mais me tocou.

Obrigada por encontra-lá aqui.

Fique na paz. Deus te abençoe rica e abundantemente.

Abraço Regiane

Flávio Alves disse...

Querida irmã Regiane,

que bom que nosso blog lhe ajudou em alguma coisa. Que Deus em Cristo possa abençoa-la cada vez mais.

Pr. Flávio

Anônimo disse...

Este fime não tem aplicação cristão.
É uma armadilha.